Evitando Aguá no Óleo Diesel

15.12.2015

noticia

Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13 de Janeiro de 2005, o governo brasileiro introduziu o biodiese na matriz energética nacional.

Desde 1º de Janeiro de 2010, todo o óleo diesel veicular comercializado ao consumidor final possui 5% de biodiesel. Essa mistura é denominado Óleo Diesel B e, assim como o combustível fóssil, requer cuidados no seu manuseio de forma a garantir a mantenção da sua qualidade ao longo de toda a cadeia de abastecimento - desde a produção até o consumidor final.

Este folheto visa trazer orientações sobre os procedimentos a serem aplicados no manuseio, transporte e armazenagem de Óleo Diesel B. Representantes de governo, mercado e academia participaram de sua elaboração, de forma a conferir-lhe confiabilidade e viabilidade prática no seu atendimento.

Em meio a esse processo de conhecimento e aprendizagem acerca do novo combustível, é muito importante que esta não seja a única fonte de informações adotada pelo mercado, sendo necessária a busca contínua das melhores práticas em relação ao tema. Da mesma forma, faz-se necessário ressaltar que a adoção das orientações presentes nesse folheto possui caráter voluntário, não sendo alvo de ações de fiscalização da ANP.

É fundamental que toda a cadeia de abastecimento atente para o fato de que os cuidados inerentes ao manuseio e ao armazenamento do óleo diesel A, 100% de óleo diesel de petróleo, sejam incorporada na sua totalidade